8 de dez de 2011

POEMA DO CORPO FELIZ

Há corpos harmoniosos, bonitos, atraentes, luminosos; há corpos pequenos, mirrados, disformes; há corpos altos, magros, finos, gordos, baixos, leves e pesados; há corpos sadios, inteiros, feridos, lesados, mutilados.

Há corpos perfeitos, corpos com defeitos, corpos refeitos. Há pessoas felizes com seu corpo maravilhoso e há pessoas infelizes, apesar do seu corpo maravilhoso e também há pessoas felizes apesar do seu corpo nada maravilhoso.

Há os que o adoram: seu hobby é torneá-lo, esculpi-lo e mostrá-lo. Há os que o odeiam: fazem de tudo para puni-lo e até se escondem por causa dele. Ferem-se, choram por causa dele, invejam os outros corpos, estão em guerra com o seu.

Há os que administram serenamente o próprio corpo. Não receberam nem carregam o corpo que gostariam, mas o amam. Se pudesse controlar seu crescimento e seu peso é o que fariam. Quando falam com Deus, pedem a graça de saber controlar-se a começar pelo corpo.

Há os que ganham dinheiro com o seu corpo atlético, exibindo-o. Há quem o venda para o prazer dos outros, por minutos, horas, dias. Há quem o ofereça a qualquer um, ao sabor de uma noitada. Há quem o consagre a Deus com um voto de renúncia, ditada pela fé. E há quem o dê para a pessoa amada com juras de amor eterno. Seus corpos gerarão outros corpos e um cuida do corpo do outro.

Há quem sinta culpa e tenha nojo ou medo do seu corpo ou do corpo alheio. Precisa de ajuda, porque o corpo é um dom, o nosso e o dos outros. Há quem ame um corpo, mas não ama a pessoa que tem aquele corpo. Há quem ame o seu corpo com obsessão doentia, mas não se ama. E há quem se ame, embora não sinta orgulho do seu corpo grande ou pequeno demais.

Somos mais do que o nosso corpo, seja ele feio ou bonito. É possível mudá-lo, mas nem toda mudança dá certo. Em alguns casos faz bem, mas em outros faz mal. Não se intervém nele, sem saber se queremos realmente mudá-lo, mas há casos em que pessoas de almas serenas conseguiram: a doença foi embora, o peso diminuiu ou aumentou, a paz voltou.

Se o seu corpo anda meio rebelde e está difícil de fazer as pazes com ele, faça uma visita ao seu médico e outra ao seu Criador, se crê que foi Ele quem o fez.

Já experimentou orar com, sobre e pelo seu corpo? Vai acabar amando-se, como nunca imaginou que se amaria. A rosa que cresceu demais, ou de menos, ou que quebrou a haste e perdeu uma pétala continua rosa. Lembre-se disto...

Pe Zezinho scj