22 de dez de 2011

MARIA DA PAZ INQUIETA

Aquele que tu trouxeste chamou-te mulher feliz
Pelo que foste e fizeste
Pois fizeste o que o céu sempre quis.
E pelo amor que tiveste,
Pois amor mais fiel não havia.
Não só porque no-lo deste
Mas por seres Maria que ouvia.

Maria que conservavas inquieto teu coração,
Maria que meditavas nas palavras de Simeão.
Maria que tantas vezes não chegavas a compreender, Maria que perguntavas e meditavas querendo entender.

Amou-te o que fez o mundo, de ti fez a mais singela. Não pelos teus olhos fundos.
Nem por seres do reino a mais bela.
Na mesma aldeia ou por perto
Outras lindas donzelas viviam.
O que não houve, por certo,
Foram outras Marias que ouviam.

Poetas poetizaram a graça que Deus te deu.
Profetas profetizaram
Tudo aquilo que te aconteceu.
E no decurso dos tempos
Tanto e tanto de ti se dizia
Que foi ficando esquecido
Que tu foste a Maria que ouvia.

Eu hoje te fiz um canto chamando-te Mãe da Igreja Pela mulher que tu foste,
Pois tu foste o que Cristo deseja.
Nem me perturba se acaso
Tu não foste a mais bela judia
Que o importante é que foste
A mais doce Maria que ouvia.

Pe. Zezinho scj