14 de jun de 2012

A ALMA GÊMEA

Que é difícil encontrar a alma gêmea atestam os dados de separações e divórcios entre pessoas que se amaram ardentemente há três, cinco, vinte ou trinta anos. Veio o ressentimento e separaram-se. A grande maioria foi em busca de outra pessoa. Muitos estão na quinta ou sexta união. Se casamento é encontro de almas gêmeas e, supostamente, deve ser mais do que amizade, então já sabemos quão difícil é encontrar a pessoa com  qual se viverá por toda a vida. Será pedir demais quando se pede fidelidade por toda a vida?
Políticos, religiosos, artistas, atletas que têm suas vidas devassadas e divulgadas contabilizam duas ou três uniões conjugais durante sua vida. Presidentes, deputados, senadores e governantes, ou se divorciaram ou estão em segunda ou terceira união. Nem para eles, com toda sua formação humanística que supostamente os preparou para o diálogo com adversários, nem para eles funcionou.
Pobres, ricos, pessoas cultíssimas, religiosos, profissionais premiados e ovacionados por seu desempenho perante milhões de pessoas,  estranhamente não conseguiram o mesmo resultado no lar, perante  pessoa com quem dormiam. Não perseveraram, ou por culpa dela, ou dele. São milhões as uniões e milhões as separações.
É dado que até crianças percebem. Em matéria de casar-se, começar é fácil; prosseguir dói um pouco; perseverar tem cruzes e supõe grandes renúncias. Os ânimos se agitam de tal forma que quem ouse intermediar e reaproximar um casal em crise acaba malquisto e mal visto, nem mesmo quando foi solicitado a ajudar. Viram-lhe a cara porque disse verdades para os dois...
Por esta e por outras razões é que orar faz enorme sentido. Já que, pela pura razão e pela lógica ou pelo charme não se segura um casamento, convém pensar na graça que ilumina os dois nas horas difíceis da vida conjugal. O infinitamente amoroso Deus que cria vidas e vê os sentimentos de ambos pode elevá-los para além do instinto, da ira e dos ressentimentos.
Quando a paixão vira ressentimento é porque o sentimento que nascia dela ainda não era amor. Este vai além do sentir. Mais do que sentir, amar é consentir de maneira madura, de caso pensado, de caso sereno! Nem todos estão prontos para este grau de alteridade!  
   
Pe. Zezinho, scj