19 de jun de 2012

3º HÁ QUEM DIGA... QUE O AMOR É UM RIACHO...

HÁ UMA PROFUNDA POESIA NO AMOR
E HÁ UMA PROFUNDA POESIA NO SEXO.
QUEM NÃO DESCOBRE ESSA POESIA,
NÃO DESCOBRE A ARTE DE MERGULHAR
NO INFINITO.
NEM VAI NUNCA SABER A DIFERENÇA.
VAI FALAR DA COISA CERTA,
MAS DO JEITO ERRADO...

O sexo está cada dia mais na cara. Não somos nós que o procuramos. Somos procurados por ele.
Já a sexualidade está cada dia mais relegada a segundo plano.
A televisão, o rádio, os discos, os jornais, o teatro, as revistas, os livros, todos esses veículos, de um modo geral, mergulharam de cheio na genitalidade.
Esqueceram a graça que o sexo tem, para além do corpo, para além do momento, para além do estético, para além do prazer e da libido.
Falta a eles uma pergunta séria e uma resposta séria ao grande porquê da sexualidade.