31 de mai de 2012

UNIDOS MESMO QUE DISCORDEMOS

Um cafeeiro não faz uma cafeteria nem um cafezal. São necessários muitos pés de café para se falar em cafezal. Um bambuzeiro é uma moita de bambus, mas só ele não faz um bambuzal. São precisos muitos bambuzeiros para se falar em bambuzal. Um grupo de cristãos não faz o cristianismo, um grupo de católicos não faz o catolicismo e um grupo de evangélicos não faz o evangelismo.  É preciso muito mais do que fechar-se num grupo da mesma fé cristã para se falar em igrejas cristãs.
Quem se fecha no seu grupo e não consegue ver valor e beleza nos outros; quem de tal maneira se mostra autossuficiente que só vê valor nas suas reuniões, nos seus cantos, nas suas preces, nas suas celebrações e nos seus pregadores nega a essência do cristianismo que aponta para o diálogo. Quem insiste em não ver Deus nas outras expressões de fé e de tal maneira superlativa e canoniza a sua, que se mostra incapaz de orar e cantar com os outros, ou não entendeu Jesus ou não se olhou direito no espelho. Se olhasse, perceberia que indivíduos e grupos têm limites enormes. O mistério do Cristo é imenso demais para que apenas um sujeito ou um só grupo possa dizer que o abarcou.
Se cremos em Jesus somos chamados ao diálogo e ao aprendizado. Há coisas que os outros sabem e vivem que eu, você, meu grupo e seu grupo não vivemos o que outros viveram ou vivem. Mesmo que não desejemos viver ou expressar-nos daquela forma, temos que ouvir e aprender com eles. Há riqueza no outro lado do rio. As águas que correm perto da outra margem são tão limpas ou tão sujas como as nossas. Exclusivismos e exclusividades geram exclusões, e a exclusão desqualifica mais quem exclui e quem se exclui do que aquele que foi excluído.
Jesus é aproximador. Separador é o dia-bolus: o diabo. Pensemos nisso na próxima vez que nos negarmos a cantar a canção dos outros, a menos que contenha desvio da fé. Não negando eles a nossa fé, tentemos cantar, orar e conversar com os outros. Mesmo que discordemos, demos a eles a chance de mostrarem como creem. Reagir? Só quando aqueles irmãos negam a Bíblia ou ensinam errado o Catecismo da nossa Igreja. Aí, quem sabe mais porque estudou o tema, reaja! 

Pe. Zezinho, scj