3 de abr de 2012

HISTÓRIA DE SIMONE - MÃE ADOLESCENTE - CAPÍTULO 15

REZE PELO PAI DA CRIANÇA

Padre, vou indo embora!
Volte sempre que quiser. Eu quero ver este bebê. Quero vê-lo bem sadio.
E vai, graças a Deus. Eu sou sadia de físico. E também de coração.
Você me ajudou demais. Eu estou até me sentindo mais feliz. A qualquer hora eu volto para fazer uma confissão.
E porque não agora?
Não me sinto afim. Eu quero pensar em tudo o que você falou. Depois, quando eu me confessar. vai ser para assumir toda a minha vida, com o meu erro e com o meu lado bom, que você diz que eu tenho. TCHAU, PADRE. POSSO TE DAR UM BEIJO?
Pode. Mas quero ver você fazendo o mesmo com seu pai, nem que demore meses ou décadas...
Acho que isso vai demorar um pouco. Você, meu médico, a irmã Rosário, uns dois ou três adultos que eu conheço, deram sentido à minha vida. Com vocês a gente erra menos, sabia?
Não me ponha no céu, Simone. Eu não sou tão perfeito assim. Há pessoas que não me admiram. E não acham que tenho toda essa bondade que você vê em mim.
Mas eu vejo. E vou rezar muito por você. Eu manjo este seu jeito de querer bem a gente.
Tentarei falar com o Duda, prometo que não vou ser duro com ele.
Não seja não, padre! Talvez ele precise de ternura, como eu preciso. Quero mais é que ele seja feliz. Ele lá e eu aqui. Não vou nunca impedi-lo de ver o meu filho. Afinal, ele é o pai.
Isto Simone! Eu não disse que você tem um coração boníssimo? Agora só falta perdoar os seus pais!
Quem sabe. Um dia eu me entendo com eles.